sábado, 10 de novembro de 2012

Obama é mais preparado que Romney para os desafios do Oriente Médio

Fonte: Herald Tribune

Embora as políticas de Obama para o Oriente Médio durante seu primeiro mandato tenham sido, por vezes, equivocadas e se mostrado um tanto fora de foco, o presidente reeleito certamente está mais bem equipado para enfrentar esses desafios regionais do que Mitt Romney. Com a situação complexa que surgiu após a Primavera Árabe, os Estados Unidos precisam tentar se comunicar com o mundo muçulmano e árabe. 
Os norte-americanos precisam ser inflexíveis em sua oposição ao fanatismo religioso extremista e, ao mesmo tempo, ser firmes para proteger seus interesses estratégicos e econômicos. Mas o país não deve iniciar uma guerra, ideológica ou estratégica, contra o Islã. Romney teria sido incapaz de adotar uma abordagem diferenciada. Obama tentou sugerir esse tipo de abertura em seu discurso no Cairo. Mesmo que não tenha havido nenhum tipo de acompanhamento posterior e que sua reação inicial às manifestações na praça Tahrir tenha sido confusa, ele entende como isso é importante. Ele também está bem consciente em relação às armadilhas de uma participação mais ativa no imbróglio sírio. Da mesma forma, se ficar claro que a diplomacia falhará em barrar as ambições nucleares do Irã e que medidas mais firmes terão que ser tomadas, Obama terá a legitimidade, interna e externa, para fazer isso. Ao contrário de Romney, ele não pode ser tachado de fomentador de guerras descabidas. 
 Obama também aprendeu o quão complexo é o caminho para alcançar um entendimento entre israelenses e palestinos: em seu segundo mandato, ele pode tentar aprender com o fracasso de suas tentativas iniciais de obter uma solução rápida. Apesar das divergências entre Obama e Netanyahu sobre os assentamentos israelenses na Cisjordânia, a cooperação na área de segurança entre os dois países atingiu níveis sem precedentes nos últimos anos. E, de qualquer modo, é bom para o Estado judeu ter um amigo na Casa Branca – mesmo que esse amigo o critique às vezes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário