segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Brasil e Turquia subestimaram fraqueza de Obama, diz iraniano

da Folha On Line

O maior erro do Brasil e da Turquia ao negociarem com o Irã o acordo de troca de combustível nuclear foi subestimar a fraqueza política do presidente americano Barack Obama em relação ao Congresso, que na época pressionava por mais sanções contra Teerã.
Além disso, afirma o iraniano radicado nos EUA Trita Parsi, quando o acordo foi assinado, em 17 de maio de 2010, os EUA já tinham fechado o entendimento com a Rússia por uma nova rodada de punições no Conselho de Segurança da ONU.
"Brasileiros e turcos usaram a carta de Obama de 18 de abril como a palavra final do governo, mas ela não era necessariamente a palavra mais autorizada sobre o tema", diz Parsi à Folha.
Presidente do Conselho Nacional Iraniano-Americano, que defende a reaproximação diplomática entre EUA e Irã, Parsi prepara a publicação, em janeiro, de um livro analisando por que negociações entre o democrata e a República Islâmica não foram adiante. Para o capítulo sobre a Declaração de Teerã, o também pesquisador do Middle East Institute (Washington) entrevistou autoridades dos países envolvidos, incluindo o atual ministro da Defesa Celso Amorim, na época à frente do Itamaraty.
Em entrevista neste ano à Folha, Amorim disse que falou com a secretária de Estado Hillary Clinton, por iniciativa dela, três ou quatro dias antes de viajar para Teerã com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Já havia, contou, uma "diferença de tom" entre a carta de Obama e a atitude de Hillary. "Ela reiterou cuidados, disse que seríamos enganados, mas nunca disse para não fazer o acordo."
No telefonema, a secretária de Estado pediu que o Brasil ajudasse na soltura de três alpinistas americanos que haviam sido presos em 2009 no Irã (uma, Sarah Shourd, teve a libertação mediada pelo Brasil).
Para Parsi, a Casa Branca foi surpreendida pelo acordo, que "desarrumou" seus planos. "A decisão de partir para as sanções já tinha sido tomada, independentemente da diplomacia."
Ele acredita que é quase nula a possibilidade de avanço em negociações sobre o programa nuclear do Irã antes da eleição americana de 2012, apesar de a Rússia ter acabado de fazer uma nova proposta de diálogo. Pela proposta, as sanções seriam levantadas à medida que Teerã respondesse às dúvidas da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica). "Mas a ideia do governo Obama é parecer muito duro com o Irã", disse Parsi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário