segunda-feira, 1 de agosto de 2011

A razão de ser da greve dos Institutos Federais

Como todos sabem, eu sou professor do Instituto Federal do Rio Grande do Norte, recém transferido do IFPB. Embora meu vínculo atual seja de cerca de ano e meio, já fui substituto por dois anos no Campus Mossoró em 2007/2009, experiência por demais gratificante. Ando pelos Institutos Federais há quase quatro anos.
Já disse por algumas vezes, em outros posts sobre a temática da educação, que eu sou professor há 10 anos. Já ensinei em várias escolas particulares, na rede estadual e na municipal. Posso lhes dizer com segurança: Nenhuma rede de escolas do Brasil se aproxima do que é um Instituto Federal, nenhuma. Aliás, não sou nem eu quem diz isso, são os números.
Lá, os alunos têm a oportunidade de se depararem com situações que em nenhum outro lugar se deparariam. Os meninos e meninas dos IFs do Brasil aprendem cedo a organizarem seu tempo e a realmente estudarem porque sabem que lá só há um caminho para boas notas: estudo.
Os professores dos Institutos Federais, em regra, gostam de ensinar lá. Pelo menos pra mim, isso é um motivo de orgulho imenso. Eu valorizo o meu trabalho e o levo a sério. Por isso eu e meus colegas nos empenhamos o máximo para termos os conteúdos de cada matéria contemplados até o final do ano, só para citar um exemplo. De uma forma geral, buscamos, nós docentes, nos garantirmos de que os alunos, de fato, aprendam.
Nos IFs não há o assédio moral que há outras instituições. Por aí, alunos não estudam e passam sem preparo algum por que têm de passar, por que tem de se produzir números falsos para o MEC e para a sociedade. No IF isso não existe. Se o aluno passar, é por que estudou. O resultado disso é que a quase totalidade de meus ex-alunos hoje estão ou muito bem empregados ou fazendo faculdades superconcorridas em Universidades Federais pelo Brasil.
Isso que é um IF.
Eu não vou nem falar da estrutura de laboratórios, da inserção à pesquisa, das bolsas profissionais, dos projetos de extensão que desenvolvemos, não. Se eu for fazer isso, esse post ficará imenso.
Minha gente, no IF as coisas funcionam, educação existe e todos gostamos de participar da instituição.
Claro que há exceções, nem tudo é um paraíso. Nós que estamos lá sabemos das brigas que cotidianamente temos para não deixarmos a qualidade baixar. Educação no Brasil é assim, se não brigarmos muito, vira palhaçada.
Há dois anos, nós professores não temos aumentos em nossos salários. Nem em 2010, nem em 2011. Tampouco há previsões de aumento para 2012. Sabem o que isso significa? Defasagem. Se juntarmos as inflações de 2010/2011 e fizermos uma progressão para 2012, veremos que nossos salários perderam cerca de 20% do seu poder de compra. Sabe qual será o caminho se não nos mobilizarmos? Sucateamento, perda de qualidade do próprio ensino.
Eu gosto de ensinar no IF por uma série de fatores, mas, fundamentalmente, porque o salário é bom, claro. Bons profissionais têm de ser bem remunerados. Eu sei do meu trabalho e da importância que ele tem para a sociedade. Professores têm de ser bem pagos, isso é uma premissa da qual não abro mão.
Oficialmente estamos em greve a partir de hoje, 01/08/2011. Durante essa semana todos os Campus dos IFs do Brasil se reunirão e decidirão pela adesão ou não ao movimento de greve. De antemão já lhes digo que sou a favor e que eu entrarei em greve por tempo indeterminado, até que o governo federal se sensibilize e nos ofereça resposta.

26 comentários:

  1. Adorei o que vc postou..
    os professores precisão se valorizar..
    se isso não acontecer daqui a alguns dias as REDES FEDERAIS viram bagunça.

    ResponderExcluir
  2. Eu não entendo certas coisas no Brasil. Os deputados e senadores tiveram um reajuste no ano passado de 61,8%, uma vez que recebiam R$ 16,5 mil, além dos benefícios. E os professores há 2 anos sem reajustes nos salários. Isso mostra que os governantes não estão preocupados com a educação no Brasil . Por isso que é comum vermos na TV uma carência de mão de obra qualificada.

    ResponderExcluir
  3. Realmente, concordo totalmente com o que foi dito ao pensar pelo lado dos professores da rede federal, um congelamento de salários nesse nível só mostra a preocupante situação vivida hoje no nosso país.
    Porém, como aluno do Instituto Federal do Rio Grande do Norte, não posso negar meu profundo aborrecimento com a greve em questão, nosso calendário está apertadíssimo, muitos não sabem como vão conseguir obter os 200 dias letivos este ano, e para piorar nossa situação aparece esta greve, para nós, alunos, só haverá prejuízos, e ainda assim não há nada que possamos fazer.

    ResponderExcluir
  4. então quer dizer que o IFRN está oficialmente em greve por tempo indeterminado?

    ResponderExcluir
  5. O IF Fluminense também está nesta luta. Já estamos aderindo a greve.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom seu post. Sou professora do IFMT- Campus Parecis e também adoro trabalhar na minha escola. Embora seja ainda um campus novo, a diferença é gritante e não podemos deixar que o governo abra escolas por todo Brasil pensando que elas vão se estruturar a base de poeira... Boa educação é sinônimo de muito investimento, muito trabalho sério e de professores bem pagos e motivados. Estamos na luta com vocês. Greve até que o governo comece a levar a sério a educação. É triste quando ligo a Tv e só escuto que fulano está fuçando na vida de alguém que é mais corrupto do que ele... e que eles gastam o tempo deles (que é bem caro por sinal) para descobrir afinal qual deles vale menos... Dilma!!! Não pense que eu esqueci!! PT!! Abriu escolas, agora vai ter que nos sustentar!!!

    ResponderExcluir
  7. Isso resume um pouco como é tratado certas classes por nossos politicos.
    Policial R$ 1.660,00 - Para arriscar a vida;
    Bombeiro R$ 960,00 - Para salvar vidas;
    Professor R$ 930,00 - Para preparar para a vida;
    Médico R$ 2.260,00 - Para manter a vida;
    E o deputado federal? Ganha R$ 26.700,00 para foder a vida dos outros!

    ResponderExcluir
  8. Quando fui aluno do CEFET-RN, não passei por nenhum período de greve mas sofri com a "greve residual", o calendário alterado, aulas terminando só em janeiro, assunto não batido, um InFRNo.
    Apóio o movimento grevista, e espero que as negociações ocorram (*) e avancem rapidamente pois os alunos são os mais prejudicados nessa coisa toda.
    Greve é grave.




    *E a UERN hein?! 60 dias e NADA....

    ResponderExcluir
  9. Os professores merecem valorização, afinal, são os maiores responsáveis por uma das coisas que mais almejamos, o sucesso profisional!! Se a maneira de conseguir o reajuste salarial é com a greve... vão à luta!

    ResponderExcluir
  10. sei não realmente no Brasil exstem coisas q eu realmente não entendo.............
    mais parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
  11. Aqui no Pará, nosso Campus aderiu a greve ontem usando te total falta de respeito com alunos. Sim, em reunião os servidores do IF se comprometeram a cumprir o prazo de 72hs para inicio da greve, mas quando os alunos chegaram para suas atividades... surpresa! não havia NINGUEM na instituição!!!! ONDE ESTA O SENSO DE COMPROMISSO????

    ResponderExcluir
  12. sou aluna do if, e apesar de o atraso no termino do meu curso seja um fato com a greve,concordo com a greve,todos que tenham um pouco de conhecimento sabe que o governo não que eleitores que saibam quais os seus direitos quanto cidadoes por isso que não existe investimento na educação, os nossos professores trabalham arduamnete para nos preparar para a vida enquanto os governates corruptos atrapalham nosso grescimento educacional e social como um todo,destruindo nossa vida.
    ESTÃO ACABANDO COM NOSSO PAIS, RICO EM DIVERSIDADES,MAS POBRE EM CARACTER DAQUELES QUE O GOVERNA. CABE A NOS DECIDIMOS SE QUEREMOS CONTINUAR ASSIM.

    ResponderExcluir
  13. Sou professor do ensino básico, técnico e tecnológico, no Instituto Federal do Espírito Santo, e tenho muito orgulho em dizer que sou ex-aluno desta Instituição. Queremos valorização para os profissionais da rede pública federal de ensino e a manutenção da qualidade. Mas parece que isso não é prioridade para os nossos representantes políticos, então devemos lutar para que isso aconteça. A greve traz prejuízos tanto para os servidores, quanto para os alunos e seus familiares, mas é a única maneira que nos resta para tentarmos uma negociação. Precisamos do apoio e compreensão da sociedade.

    ResponderExcluir
  14. Nós do IFRR TAMBÉM ESTAMOS NOS MOBILIZANDO.

    ResponderExcluir
  15. Prezado Professor, nós do IFAL também estamos em greve e precisamos nos articular para fortalecer e orientar aos alunos e à população sobre as causas dessa paralização. Não podemos deixar que entendam que a greve é apenas por reajuste salarial. Sou nutricionista.

    ResponderExcluir
  16. Não podemos esquecer dos técnicos administrativos!!!

    ResponderExcluir
  17. concordo, mas acha que nessa reta final do ano, pouco tempo antes dos vestibulares é o ideal para uma greve? O salãrio vocês vão continuar tendo, e que não é nada baixo, mas e os alunos que estão se preparando para o vestibular como é que ficam? Pensaram nisso também? Não estou dizendo que sou contra a greve mas sim que não é o momento para ser realizada uma greve.

    Tiago IFC-Camboriú

    ResponderExcluir
  18. Professor, realmente tenho que adimitir que qualificação profissional os professores do If tem de sobra. Na verdade acho que o que falta é em alguns campi, estrutura física e organização acadêmica! Com toda essa propaganda à respeito da expansão da estrutura técnico-educacional que o governo federal tem orgulho de mostrar em rede nacional a população cria expectativas muitas vezes ilusórias à respeito da mesma, quando na verdade a realidade de muitos campi é outra. Concordo que o método acadêmico do IF força seus alunos a amadurecerem mais rápido e a ganharem bagagens dignas de alunos universitários, mas tenho que adimitir que o ralo conteúdo secular que meu curso expôs me deixou na mão à respeito do sonho da universidade pública, tudo isso culpa de um corpo discente composto por profissionais do mais alto padrão, mas que muitas vezes, por causa da segurança que emprego federal traz, deixam o conteúdo de lado para repitirem "notas de bimestres passados", não me refiro à todos óbvio. Agradeço a alguns professores que realmente se empenharam em desenvolver um raciocínio crítico a favor da cidadania para com seus alunos (e que além disso não deixaram de expor o conteúdo da disciplina), acredito que a educação vai além do "B a bá" e se constrói com a experiência rotineira do viver em conjunto, porém acredito que "tudo de mais é veneno" e isso se aplica perfeitamente a realidade liberal de alguns doutores e doutoras da rede, que se quer honram sua profissão ou seus diplomas.
    Voltando à greve, sou totalmente à favor, mas não por uma causa salarial e sim para que haja uma fundamentação mais sólida à respeito da implantação de novos campi, e para que haja bom senso por parte de alguns professores que detem a liberdade acadêmica em suas mãos na estrutua diretiva do IF, para que estes possam em conjunto com a estrutura física dos campi, refletirem sobre algo bastante debatido nas rodas de conversa dos intelectuais, a Ética Profissional.

    ResponderExcluir
  19. Quero dizer que todos os comentários neste post têm sido da mais alta qualidade e educação. Muito obrigado a todos pela participação. Fiquem à vontade!

    ResponderExcluir
  20. gostei muito do post.
    eu sou aluna do IF do Maranhão, e aqui a luta dos alunos contra a greve está exacerbada. Em parte concordo no protesto dos professores, mas vale ressaltar que nem todos são bons profissionais. Minha turma por exemplo, e muitas outras, ja tiveram problemas com um professor, mas não conseguimos tirá-lo nem substitui-lo, contudo, ninguém gosta da aula dele. E agora?

    ResponderExcluir
  21. eu acho que o problema é nosso, e se ainda existe uma luta que exista, pois somos a maioria e temos ainda forças para reivindicar não só pelos IF's, mas por toda a educação brasileira que está na calamidade e não sou egoísta em querer uma só boa educação para mim, mas para todos aqueles que não podem ainda ter uma educação. Além de existir greve entre professores e apoio dos alunos vemos greve entre os líderes do governo eles clamam pedindo aumento e clamam para a população piorar.

    ResponderExcluir
  22. Boa Noite professor, eu sou aluno do IF- Sul de Minas - Campus Inconfidentes.
    Vou te fazer uma pergunta? o Senhor ja é Pai? se nao é pretende ser? Ja se imaginou com seu filho longe, com você investindo "grana" em seu filho que está estudando em um IF? com a Greve de vocês servidores, esse investimento é valido? sera? Como uma visão humanista e social de sua parte queria saber, a sua opinião. Só pra deixar claro, Sou contra a Greve e sou representante direto dos alunos do meu Campus, tanto dos cursos técnicos, quanto Superiores. Queria apenas saber a sua opinião. Desde ja meus agradecimentos. Boa Noite'

    ResponderExcluir
  23. Quem reclama que a greve prejudica, certamente não consegue raciocinar que no Brasil não há mais o que ser prejudicado. Prejudicaria ainda mais o professor que continuar em sala vivendo com um salário de fome. Os alunos também deveriam saber que eles já são o resultado de um processo viciado. Basta observar os resultados do ENEM.

    ResponderExcluir
  24. Prezado Douglas Nascimento, sou professor do IFG e peço licença para responder sua pergunta. Com certeza nenhum pai gostaria de ver seu investimento "desperdiçado" por uma greve. E também nenhum professor gosta de greve. Não é o calendário de vocês apenas que fica prejudicado.
    Agora é preciso refletir sobre o que você entende sobre investimento? É apenas financeiro? Se sim, infelizmente tenho que lhe orientar a sair do IF e ir para uma faculdade particular, onde certamente não terá esse tipo de problema (mas e o ensino?). Eu que lhe pergunto: você acha válido estudar no IF? Se uma ação justa e legal como a greve lhe aborrece (o que talvez indique certo individualismo de sua parte), eu diria que é preciso entender um pouco mais sobre a história da educação e dos trabalhadores desse país.
    Todos esses professores que também estão se prejudicando com a greve (com calendários prejudicados, com cortes de sala'rios etc) o fazem porque ainda sustentam uma ideologia e um objetivo: a defesa de uma educação pública e de qualidade.
    Daqui alguns anos, se nada for feito, os IFs estarão como as escolas públicas municipais e estaduais, que todos sabem, é o caos.
    é preciso rever seus conceitos sobre investimento e educação para avaliar essa greve (justa), que certamente prejudica muitos (inclusive os professores).
    Eu lhe proponho um exercício de projeção: imagine você daqui 10 anos trabalhando em qualquer emprego que seja, e que, em apenas dois anos, veja seu salário diminuído em 20% e ainda as condições de trabalho ruins. O que você faria, se todas as instâncias de discussão tivessem sido ignoradas pelo seu patrão? Isso num quadro em que apenas voce e sua categoria profissional estaria prejudicada. No caso da Educação quem perde não sãos apenas os professores, é toda a sociedade, que continua sendo ludibriada pelo governo e a imprensa, exatamente porque não consegue ter senso crítico para descobrir quem é o verdadeiro inimigo. Note que a maioria dos pais e alunos pouco falam do governo, crucificando apenas os professores, como se eles fossem os responsáveis por tudo isso. Vamos repensar...
    Abs e boa sorte no seu futuro...

    ResponderExcluir
  25. Quem deveria fazer um movimento para valorizar os professores sao o alunos
    Porque se nao suas universidades institutos e cefets, vao formar analfabetos tecnologicos. Nao tenho doutorado nem mestrado sou engenheiro me chamaram para dar aula em uma federal o salario menor que 3000,00 ai eu ri .
    Os poucos professores sacertotes da educacao ja estao dando aula, nao consequirao profissionais no atual mercado, para dar aula .
    Acorda futuros profissionais.

    ResponderExcluir
  26. A tambem sou pai e minha filha faz engenharia em uma federal e estou vendo que a tendencia ė se nao melhorarem os salarios dos professores ė ela ser prejudicada no conhecimento. Quando era universitario lutei pela melhoria da minha universidade, e na epoca quase fui preso porque nao se tinha liberdade.
    Acorda universitarios......

    ResponderExcluir