quarta-feira, 13 de abril de 2011

A Xenofobia é burra

Tenho lido muito ultimamente sobre a crise de Portugal e uma matéria em especial me chamou a atenção: O fluxo migratório dos últimos anos inverteu-se. Agora não são mais brasileiros que procuram Portugal por uma vida melhor, mas o contrário. Portugueses de alta qualificação, sobretudo engenheiros, procuram o Brasil atrás de emprego e bons salários. Segundo a matéria da folha, os salários pagos aqui são condizentes com os que são pagos na Europa. Nada mal para um país "pobre", não?
A ironia dessa questão reside no fato de que esse mesmo povo português europeu rico, há pouco mais de um ano, organizava movimentos para expulsar os brasileiros de lá. Segundo pesquisas publicadas no Clarin da Argentina, por exemplo, Portugal era um dos países mais xenofóbicos da Europa e os brasileiros o grupo que mais sofria xenofobia em Portugal.
Pura burrice.
Primeiro, os imigrantes são necessários para o crescimento europeu. Qualquer um que tem o mínimo conhecimento de demografia sabe que a população européia está por demais envelhecida e a Previdência Social é um calcanhar de aquiles na maioria dos países. Isso só se resolve com mão-de-obra jovem que trabalhe e contribua para a aposentadoria deles.
Segundo, já disse aqui várias vezes, a história não é retilínea, ao contrário, é cheia de idas e vindas. Ontem eles estavam melhores e nós que precisávamos ir pra lá. Hoje é o contrário. Nós é que somos a economia pujante e em crescimento. Aqui não há recessão, o país tem enormes reservas e as perspectivas futuras são ótimas.
Nós não podemos ser burros como os europeus têm sido e expulsar os imigrantes. Precisamos de mão-de-obra qualificada e não podemos incorrer na mesma burrice deles, embora não sejamos o melhor exemplo do mundo de país sem xenofobia. Aliás, aqui a xenofobia é pior do que é na Europa por que é realizada contra nós próprios.
Isso mesmo. Brasileiro tem xenofobia contra brasileiro. Basta nos lembrarmos daquelas frases absurdas e infelizes que muitos "sudestinos", irados com a vitória de Dilma, publicaram no twitter contra os nordestinos. O irônico de tudo é que hoje (13/04/2011) a Presidente está na China defendendo os interesses de nós todos brasileiros e têm sido muito bem avaliada em todas as regiões.
Irônico também é o fato de que tem sido o Nordeste a puxar o crescimento nacional nos últimos anos. Há muito tempo a região cresce além das taxas nacionais. Desde 2004 o consumo das famílias nordestinas sustentam as indústrias paulistas e preservam os empregos por lá.
Ser xenófobo é, antes de tudo, ser burro.
A xenofobia não encontra amparo nos fatos, mas no preconceito desmedido e injustificado.
Pensemos nisso.

2 comentários:

  1. Concordo com o meu caro professor no que diz respeito a falta de provas factuais para os argumentos dos europeus sobre um fundamento para xenofobia(alegavam, por exemplo,que abarrotávamos o mercado de trabalho deles).

    Não quero incorrer no erro que seria argumentar contra isso. Mas, devemos fazer uma ressalva: enquanto nós enviamos operários e faxineiras (em regra) para o hemisfério norte, eles estão (como notificado no artigo) enviando engenheiros e outras categorias profissionais qualificadas. Não quero ser taxado de "burro", conclamando uma xenofobia no hemisfério sul. Mas como os famigerados quadrúpedes, devemos ficar com as orelhas de pé!

    Não podemos mais repetir o erro dos nossos aborígenes, e simplesmente entregar o "ouro" que nos resta. Devemos, pois, desta vez, estar preparados para esse novo "descobrimento".

    ResponderExcluir
  2. Eduardo, o seu comentário foi muito feliz. Vc tá cobertíssimo de razão. Esse é o outro lado da moeda: NÓS, como PAÍS, não preparamos o nosso povo para ocupar os melhores empregos. Por outro lado, precisamos de engenheiros. Então a minha análise é a seguinte:
    1.Precisamos de engenheiros, não temos aqui, vamos trazer de fora. Se fôssemos xenófobos, nesse ponto, teríamos uma posição contraproducente;
    2.O Brasil precisa, em regime de urgência, investir PESADAMENTE em educação, ciência, tecnologia e formação de mão-de-obra qualificada. Se não, estaremos assinando o nosso passaporte para o atraso.

    Assim, Eduardo, como o tópico é sobre xenofobia, não tratei do ponto 02. Noutro momento trataremos dos "gargalos" pro nosso desenvolvimento como nação e aí falaremos com mais afinco sobre essa irritante questão. Só o Brasil mesmo para produzir tamanha contradição.

    ResponderExcluir