quinta-feira, 28 de outubro de 2010

O pífio debate eleitoral

Quem acompanha esse blog deve se lembrar de que eu dizia, às vésperas do início da campanha, estar ansioso pelo debate político-eleitoral que, supostamente, se travaria quando das eleições. Ocorre que eu imaginava estariam presentes os grandes temas. Nada, pura ilusão. Essa foi uma das eleições de debate mais carente de substância que eu já vi. Eu reputo isso ao PSDB e à campanha suja de Serra. Lamentável.
Passamos a maior parte do tempo discutindo projetos de canonizações de São Serra e Santa Dilma, ou seja, baboseira religiosa inútil. Um verdadeiro desserviço ao crescimento de nossa democracia. Reprovável. Religião se discute em casa, com a família, ou nas igrejas, com os irmãos e amigos. Em horário eleitoral, discute-se coisas que interessem à nação, sobretudo levando em consideração que o Estado é laico. Como já falei sobre isso em outro tópico, paro por aqui.
Para concluir, o episódio da bolinha de papel que lascou a cabeça de Serra, perdoem-me, foi incrivelmente cômico.

3 comentários:

  1. Para quem quer imaginar como seria uma eleição a "presidente" do Vaticano - não fosse a perdurabilidade da medieval regra do conclave-, nossa eleição é o mais perfeito parâmetro. Nunca o charlatanismo e a demagogia nortearam tanto um pleito eleitoral.

    Sobre a bolinha de papel...

    A cabeça do Serra vai começar a doer domingo depois das cinco da tarde!

    ResponderExcluir
  2. Voce não esta sendo justo. Questão religiosa deve-se exclusivamente a Dilma que se contradisse sobre abordo, o demais foi consequencia. Teria Dilma capacidade para uma discussão política? A pergunta fica no ar! Na campanha não demosntrou. Se lhe interessa-se faria.

    ResponderExcluir
  3. Se o PSDB/DEM tinha tanta convicção de que Dilma não tinha capacidade para o debate mais qualificado, pq então não a encostou na parede, forçando-a a debater? Ocorre, meu caro, que a campanha de vcs foi toda baseada na instigação ao ódio e ao preconceito. Debater o Brasil jamais lhes interessou.

    ResponderExcluir