sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Quem será capaz de levar o país adiante?

MARK WEISBROT
Folha de S Paulo

Crescimento não é tudo, mas é um prerrequisito para o progresso social

A MAIOR QUESTÃO econômica que o Brasil tem a enfrentar, como no caso da maioria dos países em desenvolvimento, é determinar quando será possível atingir seu pleno potencial de crescimento econômico. Para o Brasil, existe uma comparação simples e altamente relevante: seu passado anterior a 1980, ou seja, anterior ao neoliberalismo.
Entre 1960 e 1980, a renda per capita -o indicador mais básico de que os economistas dispõem sobre progresso econômico- cresceu em cerca de 123% no Brasil. De 1980 a 2000, seu crescimento foi de menos de 4%, e de 2000 para cá ficou em cerca de 24%.
Seria difícil exagerar a importância dessa "mudança de regime" econômico. É claro que crescimento econômico não é tudo; mas, em um país em desenvolvimento, ele é um prerrequisito para a maior parte das formas de progresso social que as pessoas gostariam de ver.
Caso o Brasil tivesse continuado a crescer em seu ritmo anterior a 1980, teria hoje um padrão de vida semelhante ao da Europa. Em lugar de abrigar cerca de 50 milhões de pobres, como é o caso atualmente, a pobreza seria muito baixa. E quase todos desfrutariam hoje de padrões de vida, níveis educacionais e cuidados de saúde vastamente superiores.
Esse desfecho teria sido possível? Com certeza. A Coreia do Sul, que em 1960 era pobre como Gana, cresceu de forma tão rápida quanto o Brasil até 1980, mas, ao contrário do Brasil, seu ritmo de crescimento não despencou depois daquele ano. Hoje, a renda per capita da Coreia do Sul atinge níveis europeus.
As políticas implementadas ao longo dos últimos 30 anos no Brasil incluíram taxas de juros reais fortemente elevadas, políticas fiscais mais duras (e ocasionalmente pró-cíclicas) e grandes privatizações.
A adoção de metas inflacionárias pelo Banco Central também desacelerou o crescimento e conduziu a uma supervalorização periódica da moeda, o que prejudica o crescimento industrial e o desenvolvimento ao tornar as importações baratas demais e as exportações brasileiras caras demais. O governo também abandonou a maior parte das políticas industriais e estratégias de desenvolvimento que haviam gerado o sucesso de que o país um dia desfrutou com respeito ao crescimento. O Brasil faz parte do grupo dos Brics, mas é diferente de Rússia, Índia e China. De 1998 a 2008, a economia russa cresceu em 94%; a da China em 155%; e a da Índia em 99%. A do Brasil cresceu em 39%.
Houve progressos significativos no governo Lula, com crescimento cumulativo do Produto Interno Bruto (PIB) da ordem de 23%, ante apenas 3,5% nos anos de FHC (1995-2002). O desemprego caiu fortemente, de mais de 11% quando Lula assumiu para 6,9% hoje. De 2003 a 2008, o índice de pobreza brasileiro caiu de 38,7% para 25,8%, segundo a Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina.
Para os eleitores que votarão em outubro a fim de escolher um presidente e estão preocupados com o futuro do Brasil, uma grande questão seria determinar quem será capaz de levar o país adiante e adotar as políticas necessárias a realizar o potencial de crescimento econômico brasileiro, e quem enfrentará os poderosos interesses privados que se opõem a essas mudanças -especialmente no setor financeiro, que favorece taxas altas de juros, crescimento mais lento e uma moeda supervalorizada, e na maior parte dos grandes veículos de mídia. Não será uma batalha fácil, mas seu resultado terá impacto enorme sobre o padrão de vida da vasta maioria dos brasileiros.
______________________________________________________
MARK WEISBROT é co-diretor do Centro de Pesquisa Econômica e Política, em Washington (www.cepr.net ). Também é presidente da Just Foreign Policy (www.justforeignpolicy.org).
______________________________________________________
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Um comentário:

  1. Eduardo Sidney. Direito - UERN31 de agosto de 2010 22:19

    "Para os eleitores que votarão em outubro a fim de escolher um presidente e estão preocupados com o futuro do Brasil, uma grande questão seria determinar quem será capaz de levar o país adiante e adotar as políticas necessárias a realizar o potencial de crescimento econômico brasileiro... " Só pode estar de brincadeira!

    Vocês realmente acreditam que "Dom Sebastião" vai ressurgir do além e dar rumo na política econômica de um país socialmente desequilibrado como o Brasil?

    As décadas de explendor do Brasil citadas pelo articulista - conhecidas popularmente como Milagre Econômico- são na verdade o melhor exemplo de que a economia sem o devido valor sócio-educacional não levam ninguém a lugar nenhum.

    Enquanto o nosso surrado país vivia a festança que foi a entrada de capital estrangeiro aqui, a Corea do Sul ensinava o que era "prerrequisito" para uma economia sólida e sustentável.

    Naquela época, nesse pequenino país a educação pública foi universalizada e os jovens em idade escolar passaram a "estudar durante 12 ou mais anos, em período integral, sendo vedado o trabalho de qualquer tipo aos menores de idade. Como complemento, um serviço militar compulsório de três anos possibilitou aos homens ingressar nas universidades mais maduros e aptos a tomar decisões".

    "A estrutura universitária da Coréia do Sul, passou a ser pautada pela disciplina e por rígidos padrões de cobrança, acabou por viabilizar, no curto espaço de uma geração, a formação de uma população educada e preparada para desfrutar dos benefícios da tecnologia. A busca permanente do conhecimento levou um grande número de estudantes coreanos a continuar os estudos técnicos e de especialização nas melhores universidades dos EUA e Europa. Finalmente, o sistema de estruturação empresarial primou pela cópia do modelo japonês, baseado em grandes conglomerados, que lidam com todos os aspectos de um empreendimento, tais como financiamento, produção e distribuição".

    "A educação selou um pacto do povo coreano com a democracia e o futuro, além de contribuir para o aumento da mobilidade social, por meio da expansão da classe média".

    Portanto, até concordo que uma boa gestão econômica é requisito para um ideal desenvolvimento de uma nação, aliás, é imprescindível. Nada obstante, não me venha com essa conversa de que "fulano" ou "sicrano" será o adequado gestor da riqueza de um país enquanto a gigantesca maioria da população pensa que a bolsa de valores é mais um programa assistencial.

    A educação, como se pode ver, faz toda a diferença.

    ResponderExcluir