segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Estabilidade será mantida seja qual for sucessor de Lula, diz 'Economist'

BBC Brasil
.
A estabilidade econômica e política brasileira, "conquistadas com muito esforço", devem ser mantidas independentemente de quem vença as próximas eleições para presidente, de acordo com as previsões para 2010 da revista britânica The Economist.
A publicação diz que os dos principais prováveis candidatos à sucessão de Lula, Dilma Russeff e José Serra, são "tecnocratas" e "bem preparados para as tarefas que vão enfrentar".Mas quem quer que seja eleito presidente deve herdar um país com maior projeção internacional e uma economia mais forte do que quando Lula assumiu o poder em 2003, afirma a publicação.
O futuro presidente, por outro lado, também terá dificuldades, diz a revista. De acordo com a publicação, o governo vem gastando cada vez mais com o setor público e isso seria o tipo de política difícil de ser revertida.
O próximo governo também ainda não deve se beneficiar do dinheiro proveniente do pré-sal, embora vá definir como ele será gasto."Isso significa que existe um grande risco de que o debate sobre o futuro do país seja prejudicado por negociações particulares (sobre como empregar as verbas do pré-sal), impedindo que o Brasil aproveite ao máximo esse 'presente de Deus', como Lula o definiu."
.
Minha análise
O que esta revista de grande circulação mundial publicou é o que de mais claro há atualmente. O Brasil, felizmente, destaca-se dentre os BRICs como sendo o mais estável política e economicamente. A próxima eleição presidencial, que eu aguardo ansiosamente, será marcada pela civilidade, sem sobressaltos, sem espetacularização. Pelo menos é o que se espera.
O nível do debate deve ser alto, pois tanto Serra, quanto Dilma, Ciro e Marina, têm profundo conhecimento de Brasil, todos são bastante experientes e preparados. Esta será, de longe, a eleição presidencial mais centrada e séria dos últimos anos. "Séria", aqui nesse caso, é no sentido de que promessas popularescas impossíveis de serem cumpridas ou discursos estapafúrdios a la Chávez não se farão presentes. Isso é muito bom, sobretudo se considerarmos que temas importantes, como a regulamenteção do pré-sal, a reforma política e tributária, a solução para os gargalos de infra-estrutura, dentre outros, precisam ser seriamente debatidos.
Para concluir, é bom deixar claro que não se espera um debate ameno. PT e PSDB irão se digladiar. O debate será acalorado, mas sério.
Nisso espero que ganhemos todos e saibamos tomar a opção mais acertada para o Brasil.

3 comentários:

  1. Prof., e quem é a sua opção?
    Vanessa

    ResponderExcluir
  2. No momento devido eu farei novamente um tópico esclarecendo todas as argumentações, Vanessa, embora eu já tenha feito há algum tempo atrás, mas eu posso lhe adiantar que hoje a minha opção seria por Dilma Roussef.

    ResponderExcluir
  3. Eu como brasileiro me sinto feliz e confiante, por saber que assim como o presidente Lula, teremos um presidente competente para dar continuidade ao bom momento pelo qual passamos, seja Dilma e muito mais se for Serra.

    - Espero que nessa eleição não surja um fenômeno popularesco...
    Victor

    ResponderExcluir