sexta-feira, 21 de novembro de 2008

'Inteligência’ americana antevê o declínio dos EUA

Extraído do endereço:
.
O governo americano divulgou nesta sexta (21) um documento que vale por um exame de consciência.

Redigiu-o o NIC (National Intelligence Council). Trata-se de entidade que coordena as agências de inteligência dos EUA.

O texto informa: nas próximas duas décadas, vai decair o poderio econômico, militar e político dos Estados Unidos no mundo.

O relatório chama-se Global Trends 2025 (Tendências Mundiais 2025). Documentos do gênero são redigidos sempre que há troca de comando na Casa Branca.

Neste último, prevê-se o seguinte:

1. A atual crise financeira marca o início de uma grande mudança na economia global;

2. Haverá transferência de renda do Ocidente para o Oriente;

3. O dólar vai definhar;

4. Os EUA continuarão sendo o país mais poderoso do mundo. Mas perderão parte de sua influência para países como China, Índia, Brasil e Irã.

5. Nos "próximos 20 anos de transição para um novo sistema estão cheios de riscos" para os EUA;

6. Até 2025, o mundo pode se tornar um lugar mais perigoso, com menos acesso das populações à comida e água.

7. Com novos pólos de poder, o mundo terá mais conflitos do que na época da Guerra Fria, marcada pela bipolaridade entre EUA e União Soviética.

8. O aquecimento global e a escassez de recursos naturais provocarão guerras no futuro;

9. A disseminação de armas nucleares também deve crescer. Estados vistos como "párias" e grupos terroristas terão acesso a artefatos nucleares;

10. Para a inteligência americana, a ação dos líderes globais será decisiva para os rumos do planeta.

Tudo considerado, os EUA parecem se dar conta de que vai chegando ao fim a fase em consideravam-se portadores de salvo-conduto para cumprir os desígnios de potência econômica e moral do Universo.
Em passado recente, costumava-se aceitar com passividade bovina a idéia de que eram movediças as fronteiras do interesse americano.

A nuvem de poeira que subiu do World Trade Center como que desenhou sobre o telhado da Casa Branca um temerário halo de divindade.
Imaginava-se que, depois de Pearl Harbor, ninguém jamais ousaria alvejar os EUA dentro de sua própria casa.

Os inimigos podiam até enfrentar os americanos nas inúmeras trincheiras que cavaram mundo afora. Os vietcongues chegaram mesmo a subjugá-los.

Mas a memória da retaliação atômica contra o Japão oferecia ao americano a utopia da segurança absoluta. Uma utopia que ruiu junto com as torres gêmeas do Trade Center.

Sob as ruínas do símbolo da pujança financeira dos EUA, escondia-se a principal novidade deste início do século 21: os conflitos já não eram movidos a ideologia.

Tampouco eram guiados apenas pelo interesse econômico. As guerras futuras oporiam civilizações.

De um lado, o Ocidente cristão e o seu fundamentalismo financeiro. Do outro, o indecifrável Oriente islâmico e o seu fundamentalismo maometano.
Agora, o cheiro acre dos cadáveres americanos vindos do Iraque e a ruína de Wall Street conduzem o establishment do império à fase de reflexão.
Bom, muito bom, ótimo. Se impõe riscos aos EUA, essa perspectiva de um mundo multipolar abre uma avenida de oportunidades para outros países. Inclusive para o Brasil.

4 comentários:

  1. Num período em que o meu tempo anda super corrido, resolvi postar esse texto que li no blog do Josias. Isso que foi liberado para a mídia não é nem um terço do que de fato eles - a inteligência americana - anteveêm. O mundo pós-crise de 2008 será fundado sob novas bases. Nós do Brasil temos um bom momento, se soubermos aproveitar as nossas possibilidades quem sabe não possamos tirar algum proveito disso tudo.

    ResponderExcluir
  2. Ao ler textos como esse, sinto algo estranho. Ao ver a iminência de tantos fatos grandiosos e de enorme importância para a humanidade, imagino o tamanho da responsabilidade que a ‘nossa geração’ herdará. É desnorteante pensar em guerras futuras e inspirador imaginar a importância que teremos no futuro do nosso Brasil.
    Parabéns pelo blog, Raul. Não há um texto aqui que eu não tenha lido, e também já me considero visitante assíduo do espaço. Abraço!

    Rayr Fernandes.

    ResponderExcluir
  3. Trágico!!!(Como diria Mr. Omar-Todo mundo odeia o Crris)

    ou não... (Como diria Raul)

    :)

    ResponderExcluir