domingo, 2 de novembro de 2008

Eleições dos Estados Unidos

Outro tema da hora. Uma eleição americana é - ou pelo menos deveria ser - problema dos americanos. Sinceramente, enche-me o saco o fato de termos que estar preocupados com o resultado de um processo eleitoral que ocorre nos EUA simplesmente pq eu acho que o mundo já deveria ter desenvolvido mecanismos de negociação multilaterais que nos deixasse mais ou menos imunes às loucuras de um Bush ou de um Mccain da vida. Somos muito vulneráveis aos EUA. Se um presidente do Brasil não assina Kyoto o mundo se acaba e a pressão internacional funciona, mas se é um presidente estadunidense não acontece nada, aliás, se ele quiser, pode até atacar um país ao seu bel prazer, destroçá-lo, liguidá-lo, varrê-lo do mapa, que não acontece nada, nada. Não lhes chama atenção o quanto o Iraque é cada vez mais um tema só americano e não iraquiano propriamente dito? E o mundo, o que faz? O que fazem os líderes europeus que defendem a integração mundial e a democracia acima de tudo? Aquilo no Iraque é democracia? Aquilo é "a marcha da liberdade", como disse Bush? E o Japão? E os "BRICS", silenciam-se? Claro! Falta-lhes fogo. Isso é um absurdo! Enquanto isso o Iraque vai se tornando cada vez mais um ex-país. O problema é que isso pode acontecer com outros no futuro.

Essa charge eu vi no site do "The New Yorker", um jornal americano. Chamou-me a atenção o preconceito implícito nela. Trata-se de Obama vestido de árabe, apertando a mão de sua mulher, uma guerrilheira com traços negróides fortes. Ao fundo estão um quadro do Osama Bin Laden e bandeira americana queimando na lareira. Visão mais conservadora e preconceituosa impossível! É incrível como ainda há uma grande parcela da população americana - eleitora dos republicanos - que simplesmene rejeita a idéia de mudança. É incrível como em um país que se diz a maior potência mundial, berço da liberdade, da democracia e do liberalismo, temas frívolos, bobos e desimportantes para uma eleição, como a religião de um candidato, ainda tomam as primeiras páginas de um jornal e ainda são capazes de fazer muita gente mudar de voto. O povo lá não tá preocupado se Obama ou Mccain vão resolver a gigantesca crise em que eles estão, parecem estar mais preocupados em saber se os candidatos são cristãos ou não.

Todas as pesquisas apontam para a vitória de Obama, mas eu tenho as minhas dúvidas. Muita água ainda vai rolar até o dia 04 de Novembro. O processo eleitoral lá não é confiável, é muito passível de fraudes, os interesses em cima dessa eleição são enormes. Eu prefiro não fazer prognósticos e aguardar. Não tenho que torcer por nenhum, não sou americano, mas, entre o extremo atraso (Mccain) e o atraso moderado (Obama), fico com a segunda opção.

5 comentários:

  1. Concordo com você raul,
    esse "era" pra ser um assunto só dos E.U.A mas a impresa é muito sensacionalista..

    ResponderExcluir
  2. Vc nem deixou claro q Obama é o melhor! xD

    Adorei a postagem... Os EUA interferem até em eleições q deviam caber somente aos seus estados!

    ResponderExcluir
  3. Raul, uma vez olhei em uma revista uma coisa que me chamou atenção: "Parem de derrama nossos sangues, que pararemos de derramarem os seus".

    essa frase foi dita alguns dias depois do famoso 11 de setembro. Por um dos líderes da Al kaida.

    pq eles(EUA)podem fazer o q quer c/ um país, como por exemplo:Iraque, e o mundo não falar nada?
    E quando eles(EUA) são as vítimas, o mundo fica perplexo c/ os ataques q os EUA sofrem?

    ResponderExcluir