quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Comentários gerais sobre a prova de geografia da UFRN

Sobre as objetivas
Essa prova e as da Paraíba, às vezes, são um bom termômetro para sabermos o que poderá vir na UERN, muito embora, esse ano, digamos, a prova da UFRN tenha sido atípica. Não caiu nada do que costumava cair e caiu muito conteúdo que já há muito não era explorado. Por exemplo, em minhas aulas sempre disse que o vest da federal não exige muita geofísica. Esse ano exigiu. Foram 06 questões, metade da prova. Isso é coisa de UERN, não de UFRN. Muito bom para os alunos que já vinham se preparando pra UERN - e para os meus do cefet. Eles reclamam muito de geofísica, mas estariam preparados para responder às questões que caíram lá - tanto Brasil quanto geral.
Caiu ainda, na parte de geohumana, uma questão de África que, para ser respondida, bastava conhecimentos gerais e noções sobre localização espacial. Aliás, o mapa foi um instrumento muito utilizado nessa prova. É o que eu sempre digo: O mapa está para a geografia assim como as quatro operações estão para a matemática. Se alguém que está lendo esse blog ainda fazer vestibular - ou provas minhas, hehee - é bom ir logo providenciando um atlas e virar um expert sobre localizações geográficas.
No mais, não achei uma prova difícil. Achei uma prova meticulosa, ou seja, precisava de atenção na leitura. A surpresa foi, pela primeira vez em cinco anos, não cair nada sobre o Meio Técnico Científico Informacional. Fazia muito tempo que não via uma prova da UFRN sem questões sobre esse assunto. Caiu Europa, como sempre.
Para quem ainda vai fazer vest na UERN: Estude! A UFRN nos demonstrou que uma prova fora do esperado pode acontecer.
.
Sobre as subjetivas
No geral foi uma prova boa, de fácil resolução. Caiu RN, urbanização do Brasil. Chamou-me a atenção sobre os tigres asiáticos, faz tempo que eles ficaram "fora de moda". Tem-se falado tanto em "BRICs" que faria mais sentido uma questão sobre eles. Senti falta de algo sobre a crise. Acho que isso é ainda possível de cair nos próximos vests.

5 comentários:

  1. Bom comentário Rauuuuuul, a da África eu acertei, mas ainda fiquei meio em dúvida por causa do minério, mas liguei Golfo ao petróleo, não sei se foi uma ligação lógica, mas que ajudou a acerta, ajudou. kkkkkkkkkkkkkkkkkk. Falow Vaije, ainda espero algum comentário sobre o calote do presidente do Equador para com o Brasil. Só a título de uma boa informação e entendimento.
    Obs.:[UFRN] Geo. do RN estava divinamente boa :D

    ResponderExcluir
  2. Espero que a do próximo ano seja tão boa quanto a desse ano. Confesso que só tenho "medo" das subjetivas, mas ainda tem um ano pra me sentir seguro. No mais Raul, quero uma ajudinha do senhor
    hehehehehe
    - Ah, o senhor se acha... meus alunos do cefet... isso é coisa de petista
    kkkkkkkkkkkk

    Victor Lima

    ResponderExcluir
  3. Oi Raul,gostei bastante do seu blog,gostaria que tivesse mais comentários a respeito dos confitos geopolíticos e alguma coisa sobre a UFERSA(a prova mais estranha que eu já vi) ok. Um abraço! (ex-aluna-CONVESTI-Carla)

    ResponderExcluir
  4. A prova da UFRN tentou fugir um pouco da previsibilidade, conseguiu! Isso talvez seja facilmente explicável, caros colegas. O mercado de cursinhos está muito forte. Não apenas em Natal, mas em todo o RN e, inclusive, no Brasil. Cada vez mais a educação está sendo vilipendiada pelo capital privado que, ao invés de formar um educando para a vida, prefere transformar seus consumidores em máquinas de decorar fórmulas pré-programadas. Desse modo, a "decoreba" sobre o conteúdo das provas ficou rotineira. Todos já sentam na cadeira para resolver as provas sabendo que de questão X a Y cairá isso, da questão W a Z cairá aquilo e assim por diante. A UFRN, de maneira maestral, fugiu dessa rotina e conseguiu driblar os "maceteiros". Fez uma prova que requeriu pensamento lógico-contextualizado e ofereceu a todos os vestibulandos a possibilidade real de ingressar em suas fileiras. Com as fórmulas mágicas destruídas e uma necessidade de compreensão global para a resolução das questões, mesmo aqueles que não puderam custear um "mega-cursinho" tiveram sua chance democrática de ser aprovado no vestibular. Fica aqui meu apoio a esse tipo de prova e os votos para que outras universidades sigam o exemplo da UFRN.

    Grande abraço a todos.

    ResponderExcluir
  5. Ei Raul, bom comentario
    não tive a oportunidade de ver a prova da UFRN
    mas, dei uma olhada na da UFERSA.
    que prova foi aquela, muito objetiva
    do jeito q eu gosto

    ei e esse negócio de conhecer mapas é mesmo muito importante. Geografia sem mapa, não é Geografia.

    Abraço

    ResponderExcluir