sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Minhas impressões sobre a crise.

Esse é um assunto muito discutido atualmente, às vezes até já batido, no entanto, acho que eu não posso me eximir de também colaborar um pouco com a discussão, aliás, esse lugar aqui é pra isso mesmo.
Bem, os especuladores apostaram alto nos chamados títulos "subprime" e se deram mal, disso todos já sabemos, no entanto, o que é de impressionar é a cadeia gigantesca que se formou a partir desses investidores. Quero dizer: Impressionante como uma perda entre meia dúzia de grandes investidores se transforma em uma crise mundial. Impressionante! Isso é geografia pura, é globalização! Criamos um ambiente onde um importante ator econômico global - esteja ele na China, Índia, Brasil, EUA, Europa ou Japão - está interligado a todos. As crises deixam de ser locais e passam a ser globais.
Elogiável, em meio a isso tudo, é o Brasil. Estamos passando pela crise com poucas conturbações, pelo menos se nós compararmos esta com as outras que se passaram na década de 90. Naquela época se o mundo espirrase nós morríamos com pneumonia crônica, hoje não. No entanto, a despeito de tudo isso, é por óbvio que a crise chegou que, a depender de quanto tempo ela ainda dure lá pela Europa e pelos EUA, a situação poderá se agravar mais no país, tanto é que as previsões de crescimento econômico do PIB nacional em 2009 já foram revistas para menos de 3%. Não somos estáveis ainda, mas caminhamos para a estabilidade com passos largos e isso ainda me dá muita esperança de que um dia sejamos uma nação mais justa para todo o nosso povo.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Para iniciar

Eu nem ia começar a comentar questões hoje, mas a pedido de Bárbara Marina - mais conhecida por "vaije" -, uma ex-aluna minha lá do geo eu resolvi postar. Eu vou transcrever a questão e comentarei cada alternativa usando uma fonte vermelha para distinguir.
A questão que eu escolhi é muito interessante pq é bem típica da geografia humana. Vejamos:
O diretor da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação) declarou, em entrevista à Folha de São Paulo, que passam fome em todo o mundo aproximadamente 786 milhões de pessoas. Tal situação, entretanto, está acompanhada de um grande paradoxo, que consiste no fato de que
Interessante notar que a questão não pede uma certa ou uma errada: Ela pede um paradoxo, uma contradição, um contrasenso. É necessário capacidade de interpretação.
a) São centenas de milhões de famintos que se concentram principalmente na África, na Ásia e na América Latina.
Quando eu disse que a questão era bem típica da geografia humana era a isso que me referia: Essa alternativa, assim como muitas outras, não está errada, está corretíssimo, no entanto, não pode ser o gabarito pq simplesmente não representa um paradoxo, apenas é uma informação.

b) A fome é provocada pela pobreza, desigualdade social e ignorância.
Geralmente quando trabalho essa questão nos cursinhos o povo me pergunta se o termo "ignorância" tá certo e eu digo que sim. Já viu ignorância gerar riqueza? Pelo contrário: Exclui e gera desigualdades sociais, pobreza e todos os males inerentes ao atraso. Outra alternativa certa, mas ainda não é o gabarito, não é um paradoxo.

c) A fome penaliza especialmente as crianças, as mulheres e os idosos dos países mais pobres.

Mais uma vez certo, mas não paradoxal.

d) Existem centenas de milhões de famintos num mundo onde há comida para todos

Eis o gabarito: Enorme contradição humana, um verdadeiro contrasenso, um grande paradoxo! Como pode um mundo com 6 bilhões de pessoas e que produz alimentos para 9 bilhões, ter quase 1 bilhão passando fome? Há muitas respostas para isso, mas uma delas é a desigualdade de distribuição de renda a nível mundial, além disso, a agricultura é hoje uma atividade econômica que visa lucro e se para um produtor é mais vantajoso produzir cana-de-açúcar para o etanol do que feijão para a alimentação, ele assim o fará. O problema é que haverá um desequilíbrio da demanda e os alimentos terão alta nos preços e mais gente passará fome ou terá dificuldades alimentares.

e) A fome leva à morte não só por destruição, mas também por expor doenças infecciosas às pessoas desabilitadas, principalmente às crianças.

Tá certa e não é um paradoxo.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Ao quê se presta esse blog.

Não se trata de um espaço para bobagens, fofocas ou coisas do gênero. Na verdade, o meu intuito é criar um espaço onde se possa discutir e analisar o que de mais importante está acontecendo agora no Brasil e no mundo, bem como também em Mossoró, claro.
À medida que o tempo for passando, vou também disponibilizar materiais que possam ajudar aos vestibulandos a, sobretudo, manterem-se informados e atualizados. Além de links de sites de notícia, apostilas produzidas por mim e questões de provas.
É a isso que esse espaço se pretende.